Exames

Audiologia:

Nutrição:

 

Otoscopia:

A otoscopia consiste num exame visual directo do canal auditivo externo e do tímpano efectuado com a ajuda de instrumentos específicos. Trata-se de uma exploração muito comum que, nas suas formas mais simples, é incluída em qualquer exame clínico geral ou de controlo.

Assim pode-se verificar rapidamente se tem:

  • Presença de cerúmen
  • Perfuração timpânica
  • Alterações do canal auditivo externo
  • Eczemas
  • Exostoses
  • Timpanosclerose
  • Inflamação no canal (ex: otite)

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Audiograma Tonal Simples

O audiograma tonal simples tem a finalidade de determinar a intensidade mínima audível, ou seja, encontrar o limiar auditivo.

A avaliação dos limiares auditivos é efectuada tanto por via aérea (auscultadores) como por via óssea (vibrador ósseo).

No audiograma tonal simples as frequências testadas variam de 125 Hz a 8.000 Hz e, em intensidade, desde -10 dB HL a 120 dB HL.

Com este exame pode-se detectar:

  • Perda audiva neurosensorial
  • Perda auditiva de condução
  • Perda auditiva mista
  • Otosclerose
  • Presbiacusia
  • Recrutamento

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Audiograma Vocal

É um exame em que o paciente tem de repetir uma lista de palavras previamente definidas a intensidades diferentes. Regista-se a percentagem de palavras correctamente repetidas, definindo-se assim uma curva de inteligibilidade ou discriminação da fala.

Permite verificar:

  • Alterações na discriminação
  • Recrutamento
  • Alterações ao nível central

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Audiograma Infantil

O Audiograma Infantil é um exame mais direcionado para as crianças que prentende encontrar o limiar auditivo numa faixa etária dos 3 até aos 7 anos. Pode ser necessário incluir testes comportamentais.

Com o Audiograma Infantil é detectado precocemente:

  • Perda auditiva neurosensorial
  • Perda auditiva de condução
  • Perda auditiva mista
  • Alterações congénitas

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Acufenometria

Este exame tem como objectivo avaliar as características psicoacústicas do acufeno ou zumbido. Ou seja, identificar algumas características do som subjectivo sentido pelo paciente.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Timpanograma

É um teste não comportamental realizado a crianças e adultos, rápido, fácil de executar e não-invasivo.

O timpanograma, mede a mobilidade do tímpano quando submetido a diferentes frequências e pressões.

Este exame permite detectar, entre outros:

  • Fluído no ouvido médio (otites serosas ou seromucosas)
  • Oclusão devido a cerúmen no canal auditivo externo (rolhão de cerúmen)
  • Problemas ao nível da condução por via aérea
  • Alterações no tímpano ou cadeia de ossículos (timpanosclerose, otosclerose e desarticulação articular)
  • Perfuração/micro-perfuração timpânica

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Pesquisa dos Reflexos Estapédicos

Pesquisa de Reflexos Estapédicos Ipsi e Contra-laterais – avaliam a integridade da cadeia ossicular (ouvido médio) e da via auditiva (nervo auditivo).

Permite saber se há alterações:

  • Na via auditiva
  • Diferenças entre um ouvido e o outro
  • Alterações a nível central

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Testes de Processamento Auditivo (Central)

O Processamento Auditivo (Central) é o conjunto de habilidades auditivas necessárias para que o indivíduo compreenda a mensagem. É a interpretação que o cérebro faz do som ouvido.

Os Testes Processamento Auditivo Central, são processos que necessitam de um bom funcionamento das estruturas do sistema nervoso central. Um simples distúrbio leva a criança a não conseguir interpretar o som, já que essa interpretação depende das habilidades auditivas organizadas e estruturadas. Estas etapas são: deteção do som, discriminação do som, reconhecimento, localização da fonte sonora e compreensão do som. Todos ligados às funções cerebrais, como: atenção e memória.

Indicações:

É indicado para crianças ou adultos que apresentam dificuldades de aprendizagem, dispersão, dificuldade de comunicação oral e/ou escrita, dificuldade de compreensão em ambientes ruidosos. Vale a pena lembrar que essas dificuldades podem trazer, inclusive, prejuízos ao desempenho social.

Outras manifestações de desordem do Processamento Auditivo Central são:

  • Problemas de produção de fala envolvendo os sons /r/ e /l/
  • Dificuldade em compreender o que lê
  • Indivíduos distraídos, agitados, hiperativos ou muito quietos
  • Atraso de Linguagem
  • Inversões ou trocas de letras e problemas de orientação direita e esquerda (escrevem em espelho),
  • Atenção ao som prejudicada.

Há também outros fatores considerados de risco para desordem do Processamento Auditivo (Central) como:

  • Perda auditiva nos primeiros anos de vida
  • Otites de repetição
  • Enxaqueca
  • Distúrbio do Sono

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Treino Auditivo

As alterações do Processamento Auditivo (Central), quando detetadas e identificada a função que se encontra alterada, o passo a seguir é o treino Auditivo desta mesma habilidade.

O treino auditivo são sessões direcionadas para todos aqueles que tenham alterações a nível do Processamento Auditivo (Central) e consistem estimular as competências alteradas de forma a corrigi-las.

Pode também ser usado como complemento à reabilitação auditiva podendo melhorar a adaptação das próteses auditivas.

Voltar ao Topo

 

 

 

 

Reabilitação Auditiva (Aparelhos Auditivos)

A Reabilitação Auditiva é todo o processo inerente à adaptação protésica quando existe perda auditiva. Ao paciente é colocada a prótese auditiva, previamente selecionada de acordo com os exames auditivos realizados e com o estilo de vida que o paciente leva.

Da Reabilitação também faz parte todo o seguimento posterior à colocação da prótese, manutenção, limpeza e ajuste da mesma.

Voltar ao Topo

 

 

Manobras de Diagnóstico Vestibulares

As manobras de diagnóstico são realizadas quando há suspeita de alteração ao nível vestibular para poder identificar o canal semi-circular afetado e qual o Ouvido em que existe alteração.

Tais como:

  • Manobra de Dix-Hallpike
  • Manobra de Epley
  • Rolling Test

Voltar ao Topo

 

 

Optocinéticos

A estimulação optocinética é um tipo de tratamento muito utilizado e que consiste em colocar o paciente numa sala escura, sem quaisquer referências visuais, onde se projectam uma série de pontos luminosos que se deslocam em determinada direção a uma velocidade predefinida.

São utilizados para Reabilitar o paciente, quando este apresenta alterações a nível vestibular, onde se manifestam tonturas e desequilibrios e verifica-se a presença de nistagmo.

Voltar ao Topo

 

Reabilitação Vestibular

A reabilitação vestibular é uma forma de tratamento das perturbações do equilíbrio, e em particular da vertigem. É essencialmente realizada através de exercícios com o objectivo de promover a recuperação do equilíbrio pelo treino de algumas atividades específicas.

A Reabilitação pode ser complementada pelas Manobras de Reabilitação (Manobra de Dix-Hallpike, Manobra de Semont) e sessões de Optocinéticos.

Indicações:

  • Tonturas
  • Desequilíbrios
  • Quedas frequentes
  • Enxaquecas
  • Náuseas (com ou sem vómito)
  • Sindromes vertiginosos
  • Recuperação pós-cirúrgica

Voltar ao Topo

 

 

Intolerância Alimentar

Testa a tolerância a 565 alimentos, que nos permite planear eficazmente um plano alimentar, indicando os alimentos que devem ser evitados e os que devem ser ingeridos com mais frequência ou moderadamente.

Este exame pode ajudar a fornecer uma alimentação saudável em que os alimentos são completamente digeridos, metabolizados sem serem armazenados sobre a forma de gordura e sem provocarem reações inflamatórias.

É frequente a confusão entre os conceitos de: Alergia e Intolerância. Por vezes muitos tendem a considerá-los sinónimos. Na realidade são conceitos completamente diferentes.

Para conseguir uma saúde óptima é vital descobrir as necessidades individuais do organismo. Nutrição óptima, significa respeitar a individualidade bioquímica, proporcionando todos os nutrientes adequados às células para que estas funcionem o melhor possível.

Para além do aumento de peso, muitas patologias têm sido associadas a intolerâncias alimentares, tais como:

  • Enxaquecas
  • Dor de cabeça
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Dermatites
  • Eczemas
  • Dor abdominal
  • Enfartamento
  • Doenças inflamatórias intestinais
  • Asma
  • Rinite
  • Alterações de humor e irritabilidade
  • Cansaço

Voltar ao Topo